Cee Lo Green – TV On The Radio (2015)

ceelogreen1

Cee Lo canta sobre temas de TV e até encontra espaço para Led Zeppelin

Por Lucas Scaliza

TV On The Radio é um EP, mas vem com jeitão de álbum. Tem apenas 25 minutos de som, mas o novo disco do ótimo Cee Lo Green chega pronto para cair nas graças de pistas de dança e FMs por todo o mundo. Ainda que seja um disco bastante comercial e muito mais alinhado com a diversão do que com a criação artística, é um R’n’B com ideias bastante interessantes.

Em seu novo trabalho, lançado de surpresa no Soundcloud e de graça, ele apresenta nove músicas feitas sobre temas da televisão, inclusive com várias inserções de programas norte-americanos. Plateias de fora dos EUA terão dificuldade em identificar quais programas estão inseridos no EP, mas o público “nativo” de Cee Lo Green pegará bem mais facilmente as inserções e os temas musicais de que Green se apropria para construir suas canções. Só para facilitar para quem não vive na terra do Tio Sam, o cantor e produtor cita e canta por cima de temas de programas como Taxi, Peanuts, Family Ties e Knight Rider.

cee-lo-green

Nas trincheiras do pop, soul, funk e R’n’B enquanto artista solo e no Gnarls Barkley, Cee Lo Green fez um disco acessível e muito classudo The Lady Killer (2010) e releituras de músicas natalinas em Cee Lo’s Magic Moments (2012). Seus dias de maior visceralidade continuam no Goodie Mob, o grupo de rap e hip hop que o revelou para o mundo. Em sua “nova fase”, que não é tão nova assim, Green foi jurado do The Voice EUA (sendo substituído recentemente pelo Pharrel Williams), fez alguns filmes (inclusive o bom Mesmo Se Nada Der Certo [Begin Again], de 2013) e se envolveu em pequenas polêmicas e picuinhas. Mas na hora de cantar, de produzir e de fazer música, por mais comercial que possa parecer, há sempre uma boa mão por trás.

A faixa de abertura “Taxi Cab Confessions (Signo f the times)”, por exemplo, é aquele soul aveludado, com viradas e acentuações gentis na bateria e um Fender Rhodes que faz uma cama gostosa para todas as vozes. “Discovery Channel”, mais direta ao ponto, mostra o controle que Cee Lo tem de sua voz e seu timbre único. Ótima música com orquestração, baixo acústico, bateria eletrônica bem sutil e solo de sopro. “Chocolate” e “Big girls” são as faixas mais divertidas do disco.

E que agradável surpresa você não tem ao ouvir “Family Ties (Wonder Woman)”, que começa com o tema do programa de televisão (tema que também já foi usado pelo rapper Rick Ross) e então se transforma em um trecho em looping de “Starway to heaven” do Led Zeppelin. O projeto todo de TV On The Radio é bastante consistente, mas são momentos assim que mostram como Cee Lo é um cara diferenciado. Quem pensaria que daria para juntar o programa de tevê com Zeppelin? Uma sacada parecida com a de Kanye West, que incorporou um conhecido trecho de “21st Century Schizoid Man”, do King Crimson, em uma de suas faixas em My Beautiful Dark Twisted Fantasy (2010).

Rapidinho de ouvir, calcado em composições de outros autores, Cee Lo Green dá uma palhinha de seu potencial. É válido (ainda mais sendo liberado de graça) e é legal, mas fica a espera por um novo disco de inéditas, em que toda a criação musical seja sua e de sua equipe.

Lucas Scaliza Autor

Jornalista e ariano, joga truco e tarô. Nunca teve amnésia alcoólica. Tem vários discos mas não tem vitrola. É host do Escuta Essa Podcast e ouve tanta música tão alto que é capaz de ficar surdo um dia.

Comentários

    […] de cada standard escolhido facilmente reconhecíveis. Mas, como acontece com o recém-liberado TV On The Radio do Cee Lo Green, é um álbum que pode conversar melhor com o público americano – que cresceu […]

    […] Black Market, continua impressionando no que diz respeito às participações:  John Legend, Cee Lo Green, Nas, DJ Premier, Mariah Carey, Mary J. Blige, Chris Brown são alguns dos convidados. Um time […]

    […] Mais uma vez, Kendrick fala sobre fé (a perda dela) e sobre a questão das minorias na América. Cee Lo Green aparece na sexta canção do álbum, “untitled 06 06.30.2014.”. Mais uma música que […]

    […] produzir Love & Hate, Michael Kiwanuka escalou Danger Mouse (conhecido pelos seus trabalhos com Ce Lo Green, U2, Red Hot Chilli Peppers). Com isso, acreditamos que o álbum tenha ganhado um aspecto mais […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.