Metallica – Ride The Lightning faz 30 anos!

cover

Por Lucas Scaliza

O que é?

Ride The Lightning é o segundo disco do Metallica. Ccomemorou 30 anos em julho de 2014.

Histórias e curiosidades

Após praticamente criarem o thrash metal com Kill ‘Em All um ano antes, a banda foi para a Dinamarca (terra natal do baterista Lars Ulrich) o disco sucessor. Conforme eles contam nessa entrevista para a Rolling Stone, a banda estava sem dinheiro nenhum. Escolheram o estúdio Sweet Silence, de Copenhagen, porque o Rainbow havia gravado o disco Difficult to Cure lá e o preço era bastante acessível. O equipamento de som da banda fora roubado em Boston, antes de cruzarem o Atlântico. O vocalista e guitarrista James Hetfield teve que emprestar nove amplificadores Marshall de bandas de metal dinamarquesas e passar um dia inteiro testando cada um deles com o engenheiro de som Flemming Rasmussen.

O nome do álbum e da faixa-título foi sugestão do guitarrista Kirk Hammett, que na época estava lendo A Dança da Morte, do Stephen King. Havia um personagem no corredor da morte, esperando para sentar na cadeira elétrica.

A banda era muito jovem. Lars e James tinham 20 anos. Hammett tinha 21. O baixista Cliff Burton tinha 22. Foi também a primeira vez que os quatro músicos do Metallica contribuíram para dar forma às músicas do disco. O Kill ‘Em All tinha sido composto apenas por James, Lars e Dave Mustaine, quando ele ainda fazia parte da banda.

Em fevereiro faz frio na Escandinávia. Tiveram que ligar aquecedores à gás na sala de gravação da bateria para evitar que Lars se resfriasse. Começavam a gravar às 19h e seguiam até 4h ou 5h da manhã.

metallica-020109-0119 copy

Músicas e destaques

For Whom The Bells Tolls” (baseada no livro Por quem os sinos dobram, de Ernest Hemingway)

Call of Ktulu” (faixa instrumental de 8 minutos. O nome é uma referência à obra do escritor de terror H. P. Lovecraft. Cliff Burton era o leitor de Lovecraft na banda)

Fade To Black” (uma balada sobre o suicídio)

Creeping Death” (fala sobre as 10 pragas do Egito. É a segunda música mais tocada ao vivo pelo grupo, ficando atrás apenas de “Master of Puppets”)

Passa no teste do tempo?

Sim. É o segundo disco da banda que deu a base para o thrash metal. O que fariam em seguida? Bom, o Metallica foi em busca de novos horizontes musicais (coisa que toda boa banda preza) e não repetiu a fórmula do Kill ‘Em All. Fizeram um heavy metal pesado, sério e até divertido (“Escape”) sem precisar recorrer ao artifício da velocidade a todo momento. Até mesmo incluíram violões em “Fade To Black”, uma das faixas icônicas do grupo. É um disco bem mais maduro que o anterior e mostra que era possível incluírem melodia em suas canções sem perder em agressividade. Ganhou 6 discos de platina nos EUA.

Um pouco fora do contexto thrash metal, é um disco mais complexo que seu antecessor e ajudou a dar novas bases para o heavy metal desde o seu lançamento. Muito do que ouvimos em Ride The Lightning ainda é tendência dentro do Metallica e referência para várias outras bandas.

Metallica+1984paris

Lucas Scaliza Autor

Jornalista e ariano, joga truco e tarô. Nunca teve amnésia alcoólica. Tem vários discos mas não tem vitrola. É host do Escuta Essa Podcast e ouve tanta música tão alto que é capaz de ficar surdo um dia.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *