Mac DeMarco – Salad Days (2014)

Mac DeMarco amadurece em seu Salad Days. Mesmo assim, o cantor não larga sua guitarra de 30 dólares.

Por brunochair

Salad Days é o terceiro álbum da carreira do canadense Mac DeMarco. Os seus dois primeiros álbuns foram lançados em 2012, sendo o último deles. Os dois primeiros álbuns mostram um artista bastante criativo e que não abre mão da simplicidade em momento algum – nem com relação a gravação, nem com relação às suas letras.

Como exemplo, a letra “Cooking up something good”, música de abertura do álbum 2, demonstra a irreverência do cantor em descrever situações do cotidiano e que tornam-se canções:

“Mommy’s in the kitchen, cooking up something good /And daddy’s on the sofa, pride of the neighborhood
My brother’s in the ballet, it seems he’s got it set / And I’ll be up at midnight, with my cigarette

Ooh when life moves this slowly / Ooh just try and let it go / Ooh when life moves this slowly / Ooh just try and let it go”

Em Salad Days, a irreverência lá está, mas junta-se a ela outros temas: relacionamento, amor, “ficar velho”. Quando seus álbuns iniciais fizeram sucesso, em 2012, o cantor contava com 22 anos. Hoje, com 24, talvez esteja passando por algumas crises: então, quer dizer que agora sou um adulto, e que minhas músicas cativam as pessoas?

“As I’m getting older, chip up on my shoulder / Rolling through life, to roll over and die”

(…)

“Missing hippy Jon, salad days are gone / Remembering things just to tell ‘em so long”

Parece que aquela arte, feita com irreverência e até com alguma inconsequência, ganhou um pouco de seriedade em Salad Days. Porém, os métodos de gravação continuam os mesmos: quase inteiramente lo-fi, com uma guitarra que Mac DeMarco diz custar menos de trinta dólares.

E ele faz acontecer com a guitarra! Um pouco de distorção, uma bateria simples, sintetizadores e linhas de baixo bem executadas são o necessário para que se executem as onze músicas de Salad Days. 

Um som meio praiano, mas que nada tem a ver com Jack Johnson. Alguns definem como blue wave, outros como slacker rock, e que o próprio DeMarco define como Jizz Jazz. Quanto a definição ou indefinição do que seja o álbum e do que seja Mac DeMarco, o que importa é deixar o som tocar, a guitarra fluir e acompanhar as divagações do cantor, sejam elas das mais irreverentes ou mais sérias.

Melhores músicas:  “Salad Days”, “Blue Boy”, “Let Her Go”, “Goodbye Weekend”, “Chamber of Reflection”, “Passing Out Pieces”.

brunochair Autor

Funcionário público, ex-jogador de ping pong amador, curte literatura, música, fotografia, esportes, cervejas artesanais e bons filmes. Meio brasileiro e meio uruguaio, acha que a cidade perfeita é uma mistura de São Paulo, Rio de Janeiro e Montevidéu.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.